Error, group does not exist! Check your syntax! (ID: 2)

Categoria: JEC

Seja bem-vindo

Foto: Beto Lima/ JEC.com.br

Leonardo Colto, ou apenas Coltro, foi a grande novidade dos treinamentos do Joinville nesta semana. O zagueiro destro de 18 anos, integrante do clube desde abril de 2014, deixou a equipe júnior para ser integrado ao titular dos profissionais.

Blumenauense, Coltro treinou entre os iniciantes nas duas atividades táticas realizadas por Rogério Zimmermann. A tendência é que o jogador inicie o jogo-treino contra o Fluminense do Itaum formando dupla com Alison ou Henrique Mattos.

Mais

Cuidado

Foto: Beto Lima/ JEC.com.br

O atacante Rafael Grampola foi diagnosticado com caxumba e ficará ausente dos treinamentos do Joinville pelo período de 15 dias.

Grampola é o segundo atleta do elenco profissional a contrair o vírus. Antes, Marlyson já havia sido infectado. No geral, a epidemia acometeu sete pessoas no clube.

Mais

Pedra no sapato

*Com Gustavo Mejia

O JEC Futsal perdeu por 2 a 1 para o Joaçaba, nesta quinta-feira, dia 21, no Centreventos Cau Hansen, pelo Campeonato Catarinense. No ano, Joaçaba e Joinville se enfrentaram três vezes, contando um empate e duas vitórias para o Joaçaba.

O Joinville volta à entrar em quadra pelo estadual na próxima segunda-feira, dia 25, contra o Blumenau, novamente em casa.

Mais

A primeira vez

Foto: Beto Lima/ JEC.com.br

Sem Alex Ruan, poupado com dores no pé esquerdo, o técnico Rogério Zimmermann, pela primeira vez, definiu um time base do Joinville para sequência da temporada.

Apoiado nos conceitos do 4-2-3-1 (leia aqui), Zimmermann treinou em campo reduzido nesta quinta-feira, no CT, compactando os setores e priorizando a velocidade na transição.

  • Titulares: Matheus; Buiú, Coltro, Henrique Mattos e Gustavo; Roberto e Kadu; Marlyson, Thiago Alagoano e Breno; Grampola.
  • Reservas: Felipe; Lucas Sun, Luan, Pulga e Madson; Júnior Sutil e Matheus Silva; Patrick, Eduardo Person e Chaveirinho; Adriano.

Mais

Não se animem

Foto: Fronzi Press

Nereu Martinelli descarta veementemente ocupar um cargo ou participar da nova diretoria do Joinville. Envolvido em compromissos profissionais dentro de sua empresa, ex-presidente alegou que continuará ajudando o clube apenas de forma indireta, assim como fez nos últimos meses.

Mais

Ganhando tempo

Foto: Beto Lima/ JEC.com.br

Visando o Estadual 2018, os jogadores profissionais do Joinville vão receber férias após o mês de outubro, independente dos resultados na Copa Santa Catarina. A reapresentação dos profissionais acontecerá no início de dezembro, antecipando a preparação que tradicionamente começa em janeiro.

Sem os principais jogadores, a equipe sub-20, que já terá encerrado a participação no estadual da categoria, será a representante do JEC nos últimos jogos da Copinha.

Mais

Conversando a gente se entende

Foto: Beto Lima/ JEC.com.br

Os clubes que disputam a primeira divisão em Santa Catarina estarão reunidos nesta quinta-feira, dia 21, em Florianópolis. Na pauta, o grupo buscará um reajuste no valor das cotas de TV do Campeonato Estadual.

Atualmente, os clubes grandes recebem cerca de R$600 mil para os direitos de TV aberta e PPV durante o torneio. Os cinco principais times buscam uma cota aproximada de R$1 milhão para cada entidade.

Jony Stassun e Edcarlos Natali são os representantes do Joinville.

Mais

O início da era Zimmermann

Fotos: Beto Lima/ JEC.com.br

Os primeiros dias de trabalho de Rogério Zimmermann foram repletos de atividades explicativas, pausadas e com muita instrução. Tudo plenamente compreensível. Mesmo com um grupo de baixa qualidade técnica, o treinador precisa implementar o novo modelo de jogo no Joinville.

Diferente dos últimos trabalhos realizados no clube (leia aqui), Zimmermann pretende ampliar os seus conceitos de forma gradual, sem pular etapas. Até por isso, neste momento, o técnico ainda não considere o desempenho do clube na Copa Santa Catarina.

Abaixo, o blog destaca cinco pontos do novo modelo de jogo do JEC:

  • Recuperação: é a transição defensiva. Enquanto os mais próximos pressionam a bola (ou para roubar, ou para temporizar/atrasar a ação do adversário) os mais recuados cobrem as zonas importantes do campo defensivo e os mais adiantados recuam na intenção de reagrupar a estrutura.
  • Compactação: Talvez seja o princípio mais importante e norteador de todos os demais na fase defensiva – a capacidade da equipe se manter agrupada, com jogadores próximos ocupando os espaços mais importantes no contexto da jogada.
  • Linha baixa defensiva: Um princípio que anda a reboque da compactação defensiva, mas que exige da equipe manter-se agrupada no sentido vertical (entre as linhas). O bloco pode se movimentar coletivamente, avançando na direção do campo adversário (bloco alto), posicionando-se a partir do meio-campo (bloco médio) ou atrás da intermediária defensiva (bloco baixo), mas sempre mantendo curta a distância entre as linhas (setores).
  • Cobertura/troca: No meio campo, quando um atleta é batido, um companheiro da mesma linha ou da linha posterior deve imediatamente fazer a cobertura, realizando o combate sobre o atacante, impedindo-o de ter tempo de pensar o jogo. O atleta batido deve procurar imediatamente ocupar o espaço daquele que fez sua cobertura, mantendo o equilíbrio defensivo da equipe.
  • Encurtamento: Quando no campo de defesa do Joinville, o atleta que está com a bola sempre deve estar marcado. Além dele, os defensores mais próximos devem fechar as opções de passe imediatas, dificultando assim ao máximo a ação do atleta que está com a bola, restando-lhe as opções de tocar para trás ou efetuar lançamentos

Mais

Novos ares

Foto: Beto Lima/JEC.com.br

Responsável pela aglutinação da nova chapa política do Joinville, o conselheiro Alexandre Poleza revelou alguns pilares estruturais que pretendem ser efetivados na gestão do clube.

Em entrevista à 89 FM, Poleza garantiu que conselheiros como Claudio Fischer, Vilfred Schapitz, Cristian Bonessi, Dartanhan Oliveira, Helenice Zattar e alguns outros estão incluídos no processo.

Queremos apresentar a chapa completa no próximo dia 17. Faremos um modelo participativo de gestão, priorizando a transparência e com responsabilidade fiscal. Poderemos inclusive criar um comitê do futebol, visando diminuir os erros nas contratações. Queremos uma nova a prática de governança no JEC. – Alexandre Poleza

Mais

Soltou o verbo

Foto: JC Forner

Pela primeira vez após deixar o cargo do presidente do Joinville, Nereu Martinelli atendeu a imprensa. Ontem, após a reunião do Conselho Deliberativo na ACIJ, o ex-dirigente se posicionou sobre aspectos que envolvem a política do clube. A entrevista foi cedida ao companheiro Charles Fischer, da 89 FM.

Nereu criticou abertamente a política financeira do Joinville. Comparando os números da sua gestão, o cartola salientou que sempre manteve as contas em dia, mesmo quando as arrecadações eram menores em comparação à atual diretoria.

A minha sucessão foi feita em dezembro, mas eu não coloquei ninguém como presidente. O Jony registrou a chapa após a desistência do Vilfred (Schapitz) e tratei de cumprir minhas obrigações. Até o momento que eu permaneci todos os salários e obrigações fiscais estavam em dia. Inclusive, em 2016, a receita foi quase de R$30 milhões, muito superior às outras Série B que eu participei.

Segundo o balanço financeiro (leia aqui), o JEC ainda deve valores consideráveis ao ex-dirigente. Nereu, no entanto, garante que estas quantias não foram pagas no último ano por opção do próprio cartola.

Chegou o momento que nós temos que deixar o ranço de lado. às magoas. Não vamos pensar com o fígado, vamos pensar com a razão. Temos que abraçar o Joinville, pois o Joinville precisa da nossa ajuda.

Foto: Fronzi Press

  • Críticas ao futebol

Antes de ocupar a cadeira de presidente, Nereu Martinelli foi diretor de futebol do Joinville durante três gestões. Com experiência em competições como a Série C e amparado por bons resultados, o ex-dirigente criticou a postura de contratações do clube e cobrou a presença de Carlos Kila no encontro.

Quem devia estar aqui dando explicações para a contratação do Chaveirinho e de outros jogadores era o (Carlos) Kila, não o Jony. Eu acho que o Joinville tinha apenas sete ou oito atletas que pudessem jogar a Série C. Vi que o Joinville tinha jogadores em excesso e pouca qualidade.

  • Ele volta?

Nereu Martinelli não comentou oficialmente, mas receberá o convite para integrar a nova chapa política do Joinville (leia aqui). A tendência é que o cartola, caso aceite, ocupe algum cargo relacionado ao departamento de futebol.

Mais