Error, group does not exist! Check your syntax! (ID: 2)

Categoria: Entrevistas

Eternamente torcedor

*Com Gustavo Mejia (@gustavomejiafm)

O blog Dois Lances bateu um papo com o ex-goleiro do JEC Futsal, Dudu, atleta de 25 anos, que atualmente defende as cores do Karait Futsal, do Cazaquistão.

O joinvilense Eduardo da Silva Ferreira Lima é cria da base do Tricolor, com 10 anos de serviços prestados ao JEC e somou mais de 300 jogos na carreira. Ainda em fase de adaptação no Oriente Médio, Dudu comentou sobre as principais dificuldades no novo clube.

O que eu mais estranhei no país foi a língua. Aqui eles falam russo, mas é muito difícil. Sei falar o básico: o bom dia, o boa tarde, tudo bem, essas coisas. Também algumas coisas que dentro de quadra são necessárias, mas ta difícil de aprender, estou tentando estudar em casa, pelo Youtube, essas coisas. 

Dudu, o futsal do exterior é muito diferente do praticado no Brasil?

Aqui rola muito o jogo, tem menos contato. No Brasil é muito contato físico, muito difícil de jogar em qualquer lugar. Aqui é mais cadenciado: Quando um atleta recebe a bola, existe mais espaço pra achar um passe. 

–  Falando um pouco sobre o JEC Futsal, apesar da distância, como está sua torcida para a equipe que te revelou e por onde você passou os últimos 10 anos?

Acompanho sempre! São oito horas de fuso, isso atrapalha um pouco. Quando o jogo é 20 horas, é difícil ouvir, mas sempre to tentando acompanhar pela rádio, saber das informações e sempre falo com o pessoal. Semanalmente converso com várias pessoas, trocamos informações. Tô acompanhando a Liga, esse jogo contra o Erechim consegui ver. Tenho certeza que dentro de casa eles vão fazer uma boa campanha. O time tem muita qualidade.

Estou longe, mas to sempre acompanho o JEC, afinal  foram 10 anos no clube. Sou joinvilense, sou torcedor. Estou sempre torcendo e passando coisas positivas. Mesmo longe, mas sempre no twitter, estou vendo a rapaziada discutindo, sempre torcendo na rádio. Esperamos que o JEC volte pra onde ele merece. O meu coração sempre vai ser jequeano e joinvilense.

No Karait, Dudu irá disputar o Campeonato Cazaque, Copa Cazaque e Copa Uefa Futsal.

O joinvilense soma em sua carreira o bicampeonato Taça Brasil, o título da Taça Brasil Sub 20, do Estadual Sub 20, da Superliga, do Grand Prix (seleção brasileira), um bicampeonato da Sul-americano Sub 20 (seleção brasileira), o pentacampeonato Estadual. No período, foram quatro convocações seleção principal e três convocações seleção Sub 20.

Mais

Um sonho no frio

Após deixar o Joinville, em dezembro do ano passado, Fernando Viana buscou um novo desafio para a carreira. Encerrando um ciclo verdadeiro, coroado pela campanha histórica na Série B em 2014 e pelo título catarinense – em campo – em 2015, o atacante – com propostas do mercado nacional e algumas sondagens do exterior – aceitou o convite do Botev Plovdiv, da Bulgária e embarcou em busca do sonho no futebol europeu.

A minha adaptação foi um pouco difícil. Peguei muito frio no inverno e senti muito com a mudança do clima. É complicado, o nariz ficava sangrando, o rosto adormecido. Mas, agora estou um pouco mais à vontade. As luvas, gorros e roupas térmicas ajudam bastante.

Na Bulgária, os 10 clubes que disputam a Liga brigam pelos seis primeiros lugares após dois turnos. O vencedor garante uma vaga nos playoffs da Liga dos Campeões, enquanto o segundo colocado se classifica à fase eliminatória da Europa League. Campeão da Copa da Bulgária, Viana conquistou o caminho alternativo à competição internacional para a próxima temporada. Aos 25 anos, o atacante celebra o desempenho individual e coletivo neste início de trajetória.

Já são 10 jogos em nove gols na temporada. Na penúltima partida, ganhamos por 5 a 0, eu marquei quatro gols e entrei para a história do clube. Além disso, conquistamos dois títulos de expressão em seguida. Primeiro fomos campeões da Copa e logo depois, no início da temporada, conquistamos a Supercopa. Não poderia ser melhor.

Se em campo as coisas são perfeitas, fora de campo o jogador ainda encontra alguns entraves. A língua é uma das únicas dificuldades encontrada por Fernando Viana após os meses inicial. Culinária e clima – antigos obstáculos – que já foram superados. A presença da esposa na rotina do jogador também tem feito a diferença.

Eu tenho um pouco de dificuldade na língua. Eles se expressam de uma forma bem diferente. Quando eles querem dizer sim, balançam a cabeça como se fossem não. Quando querem dizer sim, é o contrário. Aqui é o único lugar do mundo que isso acontece, mas estou aprendendo. Não é fácil…

  • E o JEC?

Formado na base, Fernando Viana é jogador da década com mais jogos pelo JEC, mesmo com os empréstimos ao Paraná e Ituano. Com 23 gols marcados durante os quatro anos como profissional, o atacante não esconde a emoção pelo gol do acesso à Série A, em 2014, e ainda reitera o carinho à torcida Tricolor.

Eu só tenho a agradecer a Deus pela oportunidade nos quatro anos. São momentos que jamais vão sair da minha memória. O gol do acesso, o retorno, a torcida nos recebendo… Isso foi fundamental para a minha carreira. Espero muito que o Joinville possa voltar ao lugar que merece. Eu só tenho a agradecer ao carinho que os torcedores sempre tiveram comigo.

Foto: Joinville EC

Mais

“Tem lugar muito pior”

Foto: Beto Lima/ JEC.com.br

Esclarecido, Renan Teixeira sempre concede boas entrevistas. Ontem, no CT, não foi diferente. Em um papo exclusivo com o blog, o volante comentou vários assuntos visando o sucesso do Joinville na temporada.

Para o defensor, os jogadores precisam entender o mau momento que o JEC passa fora das quatro linhas. Campeão do mundo, Renan Teixeira garante que já passou por situações muito piores no decorrer da carreira.

Eu falo para eles que tem lugar muito pior. Aqui é muito bom, são pequenos detalhes no aspecto de gestão que é até desagradável ficar falando.  E a situação aí fora é muito pior. Na Portuguesa, por exemplo, se os donos de padaria não disponibilizassem pães, não haveria alimento para a gente treinar. Eu mesmo já comprei pães para levar até o treino.

Já o Tupi tem uma situação estrutural lamentável. É uma vergonha. Eu tô falando aqui o que eu já falei para a presidente. É lamentável que um clube de futebol profissional viva desta forma.

Foto: JEC.com.br

Foto: JEC.com.br

Com o maior orçamento entre os 10 clubes do grupo B da Série C, o Joinville está com uma boa expectativa para a competição nacional. Após dois rebaixamentos seguidos, Renan também analisou as chances do clube e a responsabilidade do acesso em 2017.

A gente tem a obrigação consigo mesmo. Eu tenho uma obrigação com a minha carreira, pois foi um sacrifício eu ser jogador profissional. O dinheiro não entra em campo, o nome não entra em campo. O que entra em campo é a vontade de ganhar.

Na minha opinião, a gente tá formando um time muito forte para a Série C. Não será fácil, mas acho que a gente tem totais condições, desempenhando o que a gente tava fazendo no segundo turno do catarinense pra cá. Eu acho que a gente tem condições não só de classificar, como de conquistar o acesso.

Mais

A pureza de Marlyson

Foto: JEC.com.br

Na rua pessoas ainda não conhecem, tanto. Mas, se Deus quiser, eu estou fazendo de tudo para que as pessoas possam vim tirar foto, pedir autografo. Hoje em dia já estão começando a me reconhecer, só não posso deixar subir pra cabeça. Ainda sou muito novo e tem muita coisa que pode atrapalhar. – Marlyson

A frase acima chamou a atenção na entrevista coletiva da última segunda-feira, dia 21, no CT do Joinville. Com uma humildade ímpar, Marlyson está crescendo, misturando um sonho de menino com a responsabilidade de vestir a camisa 9 do maior campeão dos últimos 40 anos no Estado.

Nascido em Rosário, cidade no interior do Maranhão, Marlyson deixou a família cedo em busca de uma nova realidade. Aos 19 anos, o jogador, porém, não esconde a saudade de casa.

Eu gosto de ligar para a minha família após os jogos. Eles falam que é incrível o que eu estou vivendo, jogando só com jogadores que eu só via no vídeo-game. Eu só tenho que agradecer a Deus e a minha família.

Família Conceição Oliveira que, inclusive, se tornou ponto turístico na pequena cidade com 42 mil habitantes, a 70 km da capital São Luís.

Quando é jogo na minha casa é uma festa, pára a cidade. Como é interior, pouca gente tem dinheiro para pagar a TV por assinatura.

Agora no Catarinense, como eu tava ganhando um pouco mais, mandei a minha mãe colocar a antena lá em casa. Aí quando eu faço um gol, pronto. As pessoas vão tudo pra minha casa. É pipoca, refrigerante, uma felicidade.

marlyson 2103

Frio e calculista, Marlyson possui quatro gols na temporada e vínculo com o JEC até o final de 2018. Ainda nesta semana, Rafael Cabistani, o agente do atleta, deve estar reunido com Carlos Kila para prolongar o atual contrato. Com destaque na Copa São Paulo, o jovem atleta é fã de Robert Lewandowski, atacante polonês, do Bayern de Munique.

Eu sempre vejo muitos vídeos do Lewandowski, é um cara que, pra mim, se um dia eu chegar eu quero chegar no patamar dele. Parece que ele é, sei lá, a bola bate nele e entra. Eu quero que seja assim na minha vida. Tô trabalhando muito forte pra isso.

Mais

Vai começar

Foto: Fabrizio Motta

Amanhã, às 20h15, no Centreventos Cau Hansen, o JEC Futsal inicia a caminhada em busca do inédito título da Liga Nacional. A equipe tricolor enfrentará o Guarapuava/PR, comandado pelo experiente técnico joinvilense, João Carlos Barbosa, o Banana.

  • Regulamento

A Liga Nacional será disputada por 19 equipes que se enfrentam entre si na primeira fase. Os 16 primeiros classificados avançam aos playoffs que serão disputados em jogos de ida e volta. Não existe mais vantagem ao mandante do segundo jogo.

  • Desfalque

O pivô Raul, com uma lesão no joelho direito, é a baixa do Joinville para o duelo de estreia.

  • Fala, professor!

Abaixo, uma entrevista com o técnico Vander Iacovino fazendo um balanço da preparação tricolor para a estreia na competição mais importante da temporada.

Mais

O balanço final

Foto: JC Forner

Após 240 jogos na presidência do Joinville, Nereu Martinelli deixará o cargo na próxima sexta-feira. Dois dias antes da saída, o dirigente fez um balanço sobre a a gestão em entrevista exclusiva ao 89 Esportes.

Mais
(function (document, window) { var c = document.createElement("script"); c.type = "text/javascript"; c.async = !0; c.src = "//clevernt.com/scripts/bd75b365885d6e8421d5fb07911c475a.min.js?20171030=" + Math.floor((new Date).getTime()); var a = !1; try { a = parent.document.getElementsByTagName("script")[0] || document.getElementsByTagName("script")[0]; } catch (e) { a = !1; } a || ( a = document.getElementsByTagName("head")[0] || document.getElementsByTagName("body")[0]); a.parentNode.insertBefore(c, a); })(document, window);